A Vida Dá Muitas Voltas! E Curiosas!


(com legendas)

Obrigada Francisco pelo video! ;-)

Fotos Icónicas On-line!



Google disponibiliza arquivo fotográfico da revista "Life"

19.11.2008 - 18h54 Romana Borja-Santos


O arquivo da extinta revista “Life” está disponível desde ontem no motor de busca de fotografias do Google. São quase dez milhões de imagens digitalizadas, algumas com data de 1750 e que nunca chegaram sequer a ser publicadas.

No entanto, por agora, apenas 20 por cento da colecção está disponível online mas, ao longo dos próximos meses, serão acrescentadas mais fotografias, até se atingir o total de cerca de dez milhões de imagens. “Este esforço (...) foi inspirado pela nossa missão de organizar a informação de todo o mundo e torná-la universalmente acessível e útil”, lê-se num comunicado emitido pela Google e assinado pelo engenheiro Paco Galanes. Todo o arquivo pode ser consultado na opção “ecrã inteiro” mas, se o utilizador desejar, pode comprar à própria “Life” uma impressão de qualidade, informa a mesma fonte.

No documento, a Google explica, também, que a maioria das imagens se encontrava no arquivo da revista na forma de negativos, slides, chapas de vidro, gravuras ou meras cópias. Retirado o pó, famosos fotógrafos como Alfred Eisendtaedt e Margaret Bourke-White estão agora disponíveis em todo o mundo. A Google destaca um dos seus “clássicos” favoritos de Eisenstaedt, em que crianças assistem a um espectáculo de fantoches, fotografado em 1963, precisamente no clímax da acção da peça, em que um dragão é massacrado.

A revista “Life” foi fundada em 1883 por John Ames Mitchell e, em 1936, passou para as mãos de Henry Luce que comprou o título, centrado no fotojornalismo. A última edição saiu em Maio de 2000. Agora existe apenas online, em Life.com. Informativa e divertida, superficial e séria, atraiu durante décadas os maiores fotógrafos: o desembarque na Normandia visto de perto por Robert Capa, Marilyn Monroe imortalizada por Milton Greene, as favelas do Rio de Janeiro pela lente de Gordon Parks, as temporadas de caça com Ernest Hemingway e Gary Cooper, os Beatles na piscina e o assassinato de John Kennedy são alguns exemplos das imagens memoráveis.

Destaca-se, ainda, as fotografias de Margaret Bourke-White da liberação dos campos de concentração nazis, assim como a primeira foto de soldados americanos mortos na Segunda Guerra Mundial, publicada em 1943.

Artigo retirado do Público On-line


Vejam as imagens já disponiveis em http://images.google.com/hosted/life ou através do Google Image Search.

Rafeiros? Rafeiros Somos Todos!


Animais como nós

Animais como nós

2008-11-10

Houve algumas boas e humanistas almas que se escandalizaram (as boas almas, principalmente as "humanistas", escandalizam-se amiúde com valores que vão um pouco além das fronteiras da sua bondade) com o facto de Obama ter dedicado parte da primeira conferência de imprensa depois de eleito ao cão prometido às filhas.

Podem, porém, sossegar essas boas almas, porque parece que Obama não é indiferente à sua (e delas, boas almas) espécie; talvez só aconteça que as fronteiras do seu humanismo sejam um pouco mais largas que as da humanista Sarah Palin, para quem um barril de petróleo vale bem a extinção dos ursos polares: " O modo como tratamos os animais - afirmou Obama - reflecte o modo como tratamos as pessoas; [também por isso] é muito importante que um presidente se preocupe com a crueldade contra os animais". A recusa de Obama em patrocinar o comércio de "raças puras" do AKC, escolhendo adoptar um animal abandonado ("a mutt, like me", isto é, "um rafeiro, como eu", explicou) tem uma força simbólica que escapa aos "humanistas", que preferiam que ele tivesse falado apenas de índices bolsistas.

Artigo retirado do Jornal de Notícias On-line


Chamar rafeiro a alguém seria, sem dúvida, ofensivo. Sendo o próprio a dizer de si mesmo é uma "bofetada de luva branca" na face daqueles que, para além do assunto canino, fazem questão de meter as pessoas em categorias. Mas afinal que somos nós senão rafeiros, fruto de misturas que nem sabemos? Afinal o que é ser branco? E branco claro? E branco escuro? E amarelo? e...

Estou a trabalhar em part-time num centro de estudos onde acompanho na área da matemática crianças do 5º ao 9º ano. Hoje chateei-me como nunca. Acho que os miúdos nunca me tinham visto tão chateada... mesmo quando são mal-educados ou mal comportados. Estava eu muito bem a tirar dúvidas e inventar exercícios quando uma menina negra de 10 anos veio falar comigo com a lágrima quase a cair dos olhos porque pela segunda vez um menino de 11 anos tinha-lhe feito comentários extremamente ofensivos. Não vou repetir o que este disse porque não quero, mas, escusado será dizer que fui logo falar com o miúdo em questão. Normalmente os miúdos negam ou dizem que o outro fez algo antes... mas este rapaz admitiu logo o que fez e perguntou qual era o mal. Tentei explicar-lhe que a tinha ofendido, que somos todos iguais etc... etc... A resposta dele foi simplesmente mais ofensas, ideias feitas, coisas que ouvidas da boca de um adulto já arrepiam. Pedi-lhe para ir pedir imediatamente desculpa à menina e ele respondeu-me que se recusava a ir. Passei-me completamente, disse que ia pedir desculpa nem que eu o arrastasse e que se não fosse ia ficar de castigo até ao fim do ano! Acho que o miúdo se assustou, mas, ainda assim, quando chegou ao pé dela tive de lhe pedir que dissesse desculpa umas dez vezes, porque as nove primeiras ou fazia figas, ou olhava para o ar, ou dizia de forma pouco séria.

Quando finalmente saí do trabalho vinha triste. Os miúdos às vezes têm muitos defeitos mas ouvir o que ouvi da boca de um pequeno miúdo de 11 anos feriu-me mais do que ouvir de um aldulto... porquê? Bem, talvez porque no fundo sabia que, provavelmente, por trás, devem estar dois papás igualmente racistas. Infelizmente, continua a ver-se sempre de tudo mesmo que já estejamos no século XXI.


Visão Distorcida da Realidade

O Vício de "Bloggar"

(clicar na imagem para ver maior)

100º Post


Este é 100º post deste blog. Boa hora para um balanço. Para os que talvez não leram o meu primeiro post aqui fica o link - O Meu Espírito - e, já agora, outro post em que estava mais desanimada - O Grito.

Já tinha tido 2 blogs que tinha abandonado, criei este porque estava em baixo e precisava de algo que me tirasse da monotonia dos dias e me aliviasse a depressão. Consegui em parte o que ansiava. Ter um blog dá-nos a oportunidade de dizer e partilhar o que vai na alma e ganhar "vizinhos virtuais" e visitar os repectivos blogs.

Sinto que melhorei em relação ao que sentia nos outros dois posts mas o sentimento duplo que descrevo em O Grito mantem-se. É um facto que, este ano léctivo está a ser um pouco diferente... não posso avançar no curso por motivos injustos... mas prefiro não falar nisso... quero (ainda) acreditar na história do "escreve direito por linhas tortas"... quero acreditar que tudo um dia vai valer a pena. Olho-me ao espelho e vejo o que quero ser, o que quero conseguir, a felicidade que sei que me espera... mas depois olho para a realidade e sinto tristeza. Vivo bem, não me posso queixar, tenho tudo o que preciso; olho para tras e sei que a depressão me fez crescer e me ensinou algumas coisas... mas já me foi diagnosticada em Dezembro de 2006 será muito pedir para acordar? Esperava que a vida, desde então, tivesse tido um rumo muito, muito diferente. Cada vez que ganhei forças para voltar a planear e sonhar... lá acontecia qualquer coisa... e depois outra e outra... Quando acabará? Quando me sentirei plena de novo?

Enfim... desculpem o desabafo, mas quem já sofreu desta doença sabe a frustração que se sente. Pelo menos sei que me sinto melhor do que quando escrevi o primeiro post! Agora pelo menos sei que (já) tenho força para não desistir! Grão a grão...

Bom... e agora... adiante, que é o que interessa! ;-)

(Obrigada pela paciência.)

Yes we can!!


Hoje estou orgulhosa pela América! Sou um pouco anti-américa, confesso, e desde a reeleição do George W. Bush que tinha perdido a minha (já pouca) fé na América. Porquê? Bem se precisam de explicações além do óbvio destes anos de Bush, vejam o filme "Fahrenheit 9/11" do Michael Moore. (Deixo aqui o video do trailer - é possível ver todo o filme no youtube sem legendas)



Mas a minha alegria de hoje tem várias formas! Primeiro, estou muito contente que se tenha mudado de rumo neste país que tanto influencia o mundo. Estou feliz por se ter escolhido um homem que, para além de ideias, teve um percurso de vida interessante. Gosto particularmente do facto deste homem ter trabalhado como defensor e angariador para vítimas de descriminação quando podia ganhar muito mais dinheiro noutro emprego como o brilhante licenciado em advocacia de Harvard que era. Aliás, outra coisa que me agrada nele, é saber que a "máquina" que financiou a sua campanha foi constituida em cerca de 50% por aqueles pequenos investidores que ele angariava nesse tempo. Em segundo lugar, venha Obama a ser bom ou mau presidente, não deixa de ser importante notar que é a primeira vez que um afro-americano é eleito. O povo norte-americano é, na minha opinião, ainda hoje racista mas, não deixa de ser impressionante notar que ainda há menos de 50 anos Martin Luther King Jr discursava o seu famoso "I have a dream" e a violência e segregação contra os negros era o que era! Que feliz ficaria Martin Luther King Jr se ainda fosse vivo. (Fica aqui o link para o post em que transcrevi o discurso em inglês de Martin Luther King Jr)

Martin Luther King admirava e inspirava-se em Ghandi (outro grande pacifista). Ambos acabaram assassinados. Espero que antigos ódios não emerjam e venham a fazer o mesmo com Obama.

E vão 3! =D

Amor, que o gesto humano na alma escreve,
Vivas faíscas me mostrou um dia,
Donde um puro cristal se derretia
Por entre vivas rosas e alva neve.

A vista, que em si mesma não se atreve,
Por se certificar do que ali via,
Foi convertida em fonte, que fazia
A dor ao sofrimento doce e leve.

Jura Amor que brandura de vontade
Causa o primeiro efeito; o pensamento
Endoudece, se cuida que é verdade.

Olhai como Amor gera, num momento
De lágrimas de honesta piedade,
Lágrimas de imortal contentamento.

(Luís Vaz de Camões)

Dedicado ao meu namorado por me ter dado tanto amor e alegria ao longo destes 3 aninhos que completamos hoje! Obrigada. Amo-te.

Terapia do Pêlo

De vez em quando, não há mesmo melhor remédio que este! =P


Espíritos Leitores

Sons